Assembleia Legislativa concede título de cidadão paraibano a Walter Paparazzo

solenidade família frei na tribuna mesa unnamed valter e freiA Asssembleia Legislativa da Paraíba concedeu, na tarde desta terça-feira (9), em sessão solene, realizada às 15h, no plenário principal,o título de cidadão paraibano ao repórter cinematográfico da TV Cabo Branco e do G1 Paraíba Walter Fernando Souto Brandão, conhecido como Walter Paparazzo. A propositura foi do deputado estadual Frei Anastácio (PT), que presidiu a sessão.

A solenidade contou com a presença de familiares, amigos, colegas de trabalho e de profissão, além de autoridades. Foi uma sessão com muita música e poesia. O mais novo filho da Paraíba cantou e agradeceu pelo título. “Estou muito feliz em receber esse título. Eu já me considerava filho dessa terra abençoada, faltava só legalizar essa filiação. Agradeço de coração, ao deputado Frei Anastácio por proporcionar a realização desse sonho”, disse Valter.

“Eu apresentei o requerimento, que foi aprovado pela Assembleia, porque Valter se tornou uma das pessoas mais conhecidas da Paraíba pela forma como exerce seu trabalho. Ele foi o primeiro “paparazzo” da área policial da grande João Pessoa e exerce um trabalho com seriedade e competência, informando bem à população”, disse Frei Anastácio.

Frei Anastácio destacou que Valter percorre os quatro cantos da região metropolitana de João Pessoa, para sempre chegar primeiro. E por ser um profissional corajoso e bem informado, já trabalhou para as maiores empresas de comunicação da Paraíba.

Aqui, na Paraíba, ele é reconhecido por sua versatilidade profissional atuando como jornalista, radialista, cinegrafista, repórter policial e fotógrafo.  De família humilde, muito cedo teve que trabalhar para auxiliar nas despesas familiares. Chamado carinhosamente por muitos como “GPS da notícia”, Walter Paparazzo, possui postura profissional admirável e digna do reconhecimento de todos que apreciam a área jornalística.

História começou em São Paulo

Walter é natural de Natal, capital do Rio Grande do Norte. Há cinco décadas, quando tinha apenas três anos de idade, ele se mudou para a Paraíba com a família, devido ao trabalho do pai, que era militar.

A história de Paparazzo como repórter cinematográfico teve início há 15 anos, na cidade de São Paulo. Enquanto passava de carro pela Avenida São João, em plena madrugada, levando no veículo a filmadora de um amigo, ele se deparou com várias pessoas correndo.

Ele disse que ser aproximou do grupo para saber do que se tratava. Logo descobriu que se tratava de uma mulher que ameaçava se jogar do alto de um prédio. Um bombeiro tentava impedir o suicídio. Valter disse que não hesitou pegou a câmera e filmou tudo que estava acontecendo. “Quando o tumulto terminou, fui abordado por uma equipe de TV que chegou atrasada e se interessou para comprar as imagens que só eu tinha. A partir daquele episódio, não parei mais”, disse Valter.

Leia também