Assentados da Zona da Mata Sul da Paraíba relatam experiências de sucesso em Fórum

Representantes de 31 assentamentos da reforma agrária, situados em 11 municípios da Paraíba, participam nesta terça e quarta-feira (29 e 30), na cidade de Itabaiana, a 80 quilômetros da capital João Pessoa, do V Fórum da Mata Sul. O encontro está sendo promovido pela Consultoria e Planejamento de Projetos Agropecuários LTDA (Consplan), contratada pelo Incra/PB, por meio chamada pública, para prestar assistência técnica aos assentamentos.

 O fórum está sendo realizado com um formato diferenciado, onde os palestrantes são os próprios assentados. Cada palestrante relata aos demais participantes, suas experiências com o trabalho da Assessoria Técnica, Social e Ambiental à Reforma Agrária –  ATES – , o que mudou na vida das famílias, seus anseios, expectativas de progresso e propõe melhoria para o trabalho da assistência técnica.

 A abertura do encontro também contou com a participação de diretores da Consplan, do prefeito de Itabaiana, Antônio Carlos, que elogiou a qualidade dos produtos fornecidos para a merenda escolar do município, por meio do Programa Nacional de Alimentação Escolar (PNAE). O chefe da administração do Incra/PB, José Queiroz representou o superintendente regional, Cleofas Caju que encontra-se em Brasília participando da reunião de planejamento 2014/2015.

 O coordenador do programa de Ates do Incra-PB, José Vandilson do Nascimento Silva, que também participa do evento, falou sobre o programa Brasil Sem Miséria. Além dos assentados, um público convidado também acompanha o fórum.

 Na rota do turismo rural

Dentre as experiências de mudança de vida relatadas, está a da assentada Daurenice Pereira dos Santos, de 52 anos de idade. Ela conta que quando chegou ao assentamento Gurugi II, que fica no município de Conde, a 18 quilômetros de João Pessoa, possuía como bem, apenas uma bicicleta. Depois do trabalho da assistência técnica do Incra, ela relata que conseguiu melhorar de vida, juntamente com a família.

 “Hoje, minha família composta por seis pessoas, consegue tirar dos quatro hectares terra do assentamento, uma renda acima de R$ 8 mil, por mês. Nós conseguimos isso, através da venda de doces, macaxeira e outras culturas”, afirmou Daurenice. 29 01 dsc

 A mais nova fonte de renda da família da assentada começou no ano passado, através da venda de comida caseira para turistas. Isso está acontecendo por meio de um convênio da assistência técnica com o Sebrae, que colocou o assentamento na rota do turismo rural. “Nós estamos recebendo até turistas estrangeiros, que vão almoçar em minha casa. O cardápio é todo formado pelos produtos que cultivamos. Nós cobramos R$ 15 reais por pessoa. Esperamos que o movimento aumente bastante com a realização da Copa do Mundo, que irá trazer mais turistas”, disse a assentada.

 Programas do governo fortalecem produção

 Outra experiência que está chamando a atenção é a do assentamento Nova Aurora, no município de Pedras de Fogo, a 54 quilômetros de João Pessoa. Segundo os relatos do presidente da Associação do Assentamento, Sandro Altino da Silva, no ano passado, os assentados conseguiram vender para o Programa de Aquisição de Alimentos do governo federal (PAA), 500 toneladas de alimentos.

 Além do PAA, os assentados vendem para o Programa Nacional de Alimentação Escolar (PNAE). Eles faturaram, só com a prefeitura de Pedras de Fogo, em 2013, R$ 286 mil. “Este ano, estamos expandindo a venda para mais seis cidades. Com isso, o faturamento para as 114 famílias cooperadas, só com o PNAE, será de R$ 532 mil”, disse Altino. Ele acrescentou que além desses programas, 54 famílias faturaram no ano passado, quase R$ 300 mil, com a venda de produtos para a Prefeitura de João Pessoa, através do Programa de Compra Direta Local.

 Para 2014, segundo Sandro Altino, a previsão de faturamento das famílias só com o PNAE e PAA está estimada em mais de R$ 1 milhão de reais. “Toda essa produção, que aumenta a cada ano, ocorre graças ao bom trabalho da assistência técnica. Hoje, nossas famílias vivem com dignidade. Temos boa alimentação, saúde e podemos educar nossos filhos”, afirmou Altino.

Fonte:  www.incra.gov.br

Leia também