Comissão de Direitos Humanos da AL apoio luta das mulheres contra violência

Frei entrevitaO presidente da Comissão de Direitos Humanos da Assembleia Legislativa, Frei Anastácio (PT) manifestou apoio, hoje (31), na tribuna da Assembleia Legislativa, em defesa dos direitos das mulheres e contra a violência e a cultura do estupro. “Estamos disponibilizando a Comissão para apoiar e assessorar qualquer pessoa que precise ser ouvida para denunciar violência contra as mulheres”, anunciou o parlamentar.

Frei Anastácio disse que a Comissão dos Direitos Humanos e Minorias, está pronta para envidar  esforços para o combate a violência contra a mulher, e lembrou que o caso do estupro coletivo no Rio de Janeiro, infelizmente não é exclusivo daquele Estado.

O município de Queimadas, por exemplo, ainda sofre com a repercussão triste do estupro coletivo e assassinato de duas mulheres, em 2012, além do assassinato de Ana Alice, no mesmo ano. “Não estamos tão distante do caso do Rio de Janeiro, infelizmente. A Paraíba amarga 556 estupros nos últimos cinco anos, e o pior é que 65% das vítimas são crianças e adolescentes”, frisou o deputado. João Pessoa concentra a maioria dos casos seguida por Campina Grande, Bayeux, Patos, Queimadas, Sousa, Guarabira, Cabedelo e Dona Inês, segundo o Centro da Mulher Oito de Março.

Segundo o Instituto de Pesquisas Econômicas Aplicadas (IPEA), a cada 11 minutos, uma pessoa é estuprada, mas apenas 10% das vítimas denunciam os casos por medo ou por vergonha. O Superior Tribunal de Justiça informa que todo o processo ocorre em segredo de justiça e que o testemunho da vítima tem grande relevância, já que a maioria dos estupros não há testemunhas. “A mulher precisa saber que a palavra da vítima tem muito valor, e a palavra de vocês que saem às ruas para denunciar a violência é que está fazendo com que esses números não sejam maiores. Se não fosse toda essa luta do movimento das mulheres, a situação seria bem pior”, destacou Frei Anastácio.

Leia também