Deputado diz que absolvição de trabalhadores rurais, em julgamento, reforça luta pela reforma agrária na PB

O deputado Estadual Frei Anastácio (PT) disse, hoje (01), na Assembleia Legislativa, que a absolvição dos sete trabalhadores rurais de Mogeiro, quinta-feira da semana passada, representa uma grande vitória da reforma agrária na Paraíba. “Essa absolvição, por unanimidade, reforça a luta na terra e pela terra na Paraíba”, disse Frei Anastácio.

O deputado também elogiou a postura do presidente da Assembleia Legislativa, Adriano Galdino, que deu todo apoio aos 400 trabalhadores e entidades que ficaram em vigília, na Praça João Pessoa, enquanto o julgamento era realizado. “O presidente disponibilizou água, banheiros e energia elétrica. Esta casa que no passado foi marcada por algumas figuras que marginalizavam a luta dos trabalhadores, hoje abre as portas e os acolhe”, ressaltou o petista.

Por unanimidade, o júri entendeu que os trabalhadores foram indiciados injustamente e absolveram todos das acusações do assassinato do vaqueiro José Carlos e da tentativa de assassinato do policial civil Sérgio Azevedo, em maio de 2002, na região de Mogeiro. Os trabalhadores rurais Antônio Francisco da Silva, Ivanildo Francisco da Silva, José Luiz dos Santos, José Inácio da Silva Irmão, Marcelo Francisco da Silva, José Martins de Farias e Severino José da Cruz e Severino dos Ramos dos Santos, Raminho, já falecido, ainda ficaram presos por um ano e sete meses.

Frei Anastácio ainda destacou a atuação do promotor de justiça Marinho Mendes que, de forma justa, pediu a absolvição dos trabalhadores. Segundo Frei Anastácio,o promotor foi classificado pelos trabalhadores de “um anjo” enviado por Deus para ajudar a comprovar a inocência deles.

Caminhada da liberdade

O deputado também registrou que no sábado foi realizada uma série de atividades em comemoração à absolvição dos trabalhadores, em Mogeiro. “Realizamos uma caminhada do assentamento João Pedro Teixeira até o assentamento Dom Marcelo Cavalheira, com carros e motos. Por onde passamos, recebemos manifestações de apoio do povo nas ruas”, disse o deputado.

Greve na UEPB

Frei Anastácio também falou sobre os três meses de greve na Universidade Estadual da Paraíba. Segundo ele, durante todo esse tempo o governo do estado não abriu nenhum canal de negociação com os grevistas. “Diante dessa dificuldade de negociação, acho que a Assembleia Legislativa pode ter o papel de constituir um canal de negociação entre governo e grevistas. Até o momento, só foi apresentada uma proposta de um por cento de reajuste salarial, mas a categoria pede 8%. O que não podemos admitir é ficar sem negociação e milhares de estudantes sendo prejudicados”, disse o deputado.

Leia também