Deputado diz que Liberta Rio Tinto avança em defesa do povo

“A luta de 17 anos do nosso mandato e do deputado federal Luiz Couto, em defesa da população de Rio Tinto, que paga imposto à família Lundgren para poder morar na cidade, e de posseiros ameaçados de despejo, em Oiteiro de Campina, está dando resultado”. A afirmação é de deputado estadual Frei Anastácio (PT).

Segundo ele, o caso se tornou de conhecimento da sociedade paraibana, através de reuniões e audiências públicas que os dois mandatos realizaram ao longo dos anos. “E, recentemente, houve uma Audiência Pública na Assembleia Legislativa, proposta pelo presidente da Casa, Gervásio Maia, que contribuiu muito com a nossa luta”, destacou.

Uma dos resultados da audiência, segundo o deputado, é a criação de uma Frente Parlamentar na Assembleia, para lutar pelas reivindicações da população urbana e rural de Rio Tinto. “Essa frente já está sendo formada e será de grande importância para contribuição na luta justa desse povo que está sendo explorado”, disse.

O deputado ressalta, ainda, a grande contribuição do procurador da República, José Godoy. “Ele não tem medido esforços para viabilizar formas de proteger a população rural e urbana de Rio Tinto na garantia dos seus direitos adquiridos. O procurador reconhece que o inquérito sobre a situação de Rio Tinto estava engavetado desde 2015 e foi despertado, a partir da mobilização do povo da zona rural e da cidade, através dos nossos mandatos. No caso de Oiteiro de Miranda, o procurador conseguiu a suspensão do despejo de oito famílias, que moram há 150 anos nas terras. O procurador conseguiu a suspensão do despejo, alegando o princípio da dignidade humana, ou seja, as famílias não teriam para onde ir, são pobres, nasceram e se criaram nas terras e vivem da agricultura”, relatou.

Frei Anastácio disse que não é admissível uma população inteira pagar imposto, a vida inteira, simplesmente porque a família Lundgren se diz dona de todas as terras do município. Será realizado um estudo antropológico e histórico para verificar a idoneidade dessa posse dos Lundgren e identificar as comunidades tradicionais na zona rural.

Leia também