Deputado diz que manifestantes que saíram às ruas domingo nunca votaram no PT

Frei Anastácio

O deputado estadual Frei Anastácio (PT) disse, hoje (15), no plenário da Assembleia Legislativa, que as manifestações ocorridas no domingo (14), foram compostas por pessoas das classes abastadas do Brasil que não aceitam o governo do PT trabalhando para as camadas mais humildes.

“Podemos analisar que os participantes das manifestações, legítimas é claro, são pessoas que passaram 12 anos com o governo do PT atravessado na garganta, com raras, exceções, e nunca votaram no PT, nem em Lula, nem em Dilma. Dessa forma,aquele povo ali não representa a vontade da maioria do eleitorado brasileiro que reelegeu Dilma”, declarou.

O parlamentar também falou que essa “elite” não sabe qual o direcionamento para buscar soluções para o país. Mesmo indo uma pequena parcela da população eleitora para as ruas, há dificuldade de saber quais os caminhos que o Brasil deve tomar.

“Um dos vácuos que vi nas manifestações, foi à falta de proposta para ajudar o país. Só se pediu fora Dilma, fora PT, prisão para Lula. E se Dilma sair, quem vai assumir? Michel Temer, Renan Calheiro, Eduardo Cunha? Esses políticos têm credibilidade para transformar esse país para melhor?”, questionou o deputado.

Frei Anastácio ainda destacou que tendências internas do PT não concordam com a política econômica do país e que não aceitam no repasse de arrocho econômico para a população. “Do ponto de vista emergencial, isto supõe reduzir a taxa de juros, alongar o pagamento da dívida pública, controlar o câmbio, tributar as grandes fortunas e heranças, dividendos, remessas de lucros e combater a sonegação”, frisou.

Segundo o deputado, em 2018 haverá uma nova oportunidade de ajudar o país, e não com protestos na rua como em 1964 e que mudanças acontecem dessa forma, nas eleições de forma democrática. “Querer impedir um governo, sem provas concretas é golpe e isso nós não aceitamos. Mas, o que digo aos manifestantes é que vamos esperar 2018 que está próximo. Vamos decidir pelo voto quem deverá governar esse país”, ressaltou.

Leia também