Frei Anastácio alerta sobre redução em investimentos na educação da Paraíba

FREI TRIBUNAO deputado estadual Frei Anastácio (PT) alertou, hoje (12), na Assembleia Legislativa, que o governo do estado deixou de aplicar 60%, nos primeiros seis meses do ano, do orçamento previsto pela Lei Orçamentária Anual para 2015 para a educação. “Além de reduzir recursos, no primeiro semestre de 2015, o governo executou 19% a menos em educação do que o ocorrido para o mesmo período de seis meses do ano de 2014”, disse Frei Anastácio.

Segundo o deputado, já em relação às despesas executadas, segundo categorias econômicas, nota-se que os gastos com pessoal e encargos sociais já atingiram cerca de 50% da previsão anual para o resto do ano.

“Mas, se compararmos o primeiro semestre de 2015 como o mesmo período do ano anterior, chegamos a conclusão que nos seis primeiros meses deste ano o percentual executado na conta de custeio é 55,5% inferior ao verificado em 2014”, relatou Frei Anastácio.

Quanto à conta de investimento observa-se uma execução orçamentária ainda mais restritiva. Nos seis primeiros meses de 2015, só foram executados, a título de investimento na Secretaria de Educação do Estado, apenas, 2,9% do total previsto para o ano.

Comparando o mesmo período, ou seja, os seis primeiros de 2015 com o igual período do ano anterior (2014), o percentual executado nesse ano é 935,5% inferior ao que foi executado no mesmo período de 2014.

Em relação ao Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica e de Valorização dos Profissionais da Educação (Fundeb), a Paraíba, nesse primeiro semestre de 2015, recebeu 7,37% a mais do governo federal do que o ocorrido no mesmo período do anterior. É o quinto maior repasse do Nordeste.

Marcha das Margaridas            

O parlamentar registrou ainda a realização da Marca das Margaridas, que está sendo realizada desde ontem à noite (11), em Brasília, e já conta com mais de 70 mil mulheres. “Neste exato momento, elas estão caminhando até a Esplanada dos Ministérios para entregar as suas reivindicações. São mulheres do campo de vários estados, que estão na quinta marcha”, relatou o deputado na tribuna da Assembleia.

As mulheres já realizaram reuniões com governadores e prefeitos, e agora estão no Distrito Federal, trazendo mais de 400 reivindicações para o debate e o diálogo com a sociedade e com o Governo Federal. A Marcha das Margaridas é considerada a maior mobilização de mulheres da América Latina e recebeu esse nome, em homenagem à paraibana Margarida Maria Alves, que foi assassinada por lutar pelos direitos dos trabalhadores e trabalhadoras do campo.

 

Leia também