foto conflitos no campo

O deputado federal Frei Anastácio (PT/PB) disse que ficou preocupado com o aumento de 35,6% na violência no campo no ano passado. Foram quase um milhão de pessoas envolvidas (960.640). Os números foram anunciados durante o lançamento do Caderno Conflitos no Campo Brasil 2018, pela Comissão Pastoral da Terra, na tarde desta sexta-feira (12), na Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB) no Distrito Federal.

“A maior parte desse aumento dos conflitos ocorreu justamente depois do golpe que retirou Dilma do poder. Pelo depoimento de um trabalhador do Amazonas, durante o lançamento da cartilha, a tendência é aumentar ainda mais a violência contra a população do campo”, disse.

Frei Anastácio relatou que o trabalhador disse que não pode ir mais nem a uma venda fazer compra, temendo morrer. “Ele denunciou que depois que Bolsonaro assumiu o poder as ameaças aumentaram muito. Esse ânimo dos agressores do setor latifundiário está acirrado, em todo o país, e vai aumentar ainda mais, já que eles têm apoio do governo”, alertou.

56857531_2208826395872000_4617081175955996672_n

O deputado parabenizou a CPT nacional pelo bom trabalho realizado, com a publicação, e pela assistência que dá aos trabalhadores e trabalhadoras. “Quero destacar também o excelente trabalho que a CPT Regional Nordeste II (Paraíba, Pernambuco, Alagoas e Rio Grande Norte) realiza em toda sua área de atuação. Não vamos nos desanimar diante da violência. Vamos nos manter unidos nessa luta pela terra e na terra”, disse.

56711077_2208888625865777_2574484632233836544_n

Aumento da violência contra a mulher

56905001_2208826222538684_2085269096802287616_n

O parlamentar disse ainda que é preocupante os números da violência contra a mulher do campo. 2018, registrou a maior violência contra as mulheres, nos últimos 10 anos. Foram 22 mulheres assassinadas e 409 ameaçadas de morte, em conflitos de terra.

A publicação da CPT este ano, foi dedicada a duas mulheres: Marielle Franco e a irmã Alberta Girardi.

Conflito por água

O relatório também aponta que 2018 foi o ano com o maior número de conflitos por água no campo desde o início do registro realizado pela CPT, em 2002. Foram 276 casos e 73.693 famílias envolvidas. Desse total, 85% das famílias são comunidades tradicionais. O número de conflitos é 40% maior do que em 2017.

57076970_2208888705865769_1054613225074589696_n

DEIXE AQUI SEU COMENTÁRIO

Please enter your name here

Please enter your comment!