Frei Anastácio anuncia mais uma feira agroecológica na Paraíba

21740329_1499547196799927_4155407045276385173_nO deputado estadual Frei Anastácio participou do lançamento de mais uma feira agroecológica na Paraíba, em Pedras de Fogo. O lançamento aconteceu na rádio Comunitária de Itambé – cidade que fica ao lado -, com participação dos organizadores da feira, que será realizada nas quintas-feiras, sábados e domingos, das  6h às 13h, na praça que fica no centro da cidade.

A mais nova feira agroecológica da Paraíba terá participação de 20 famílias do assentamento Fazendinha, que fica em Pedras de Fogo, onde existem 84 famílias assentadas em mais de 500 hectares de terras. Segundo o deputado, o assentamento tem muita produção, além de possuir uma população acima de 1.500 pessoas, contanto com assentados, filhos, netos, noras e genros.

“Essas famílias irão levar para a população, cerca de 20 variedades de produtos agrícolas que são cultivados sem nenhum tipo de veneno. É uma oportunidade para a população adquirir, a preços justos, alimentos saudáveis e de boa qualidade”, disse o deputado.

Frei Anastácio lembrou que na Paraíba já existem mais de 40 feiras agroecológicas. “Tenho o orgulho em dizer que foi o nosso mandato e a Comissão Pastoral da Terra, que começamos esse movimento que cresceu no estado e não parou mais. A partir dessa iniciativa criamos a lei 9.861/2012, que instituiu o Dia Estadual de Combate ao uso de Agrotóxicos”, destacou.

Visitas a acampamentos

21730874_1499543956800251_6954137151605521227_nO parlamentar também visitou dois acampamentos:  Garapu, em Alhandra e Arcanjo Belarmino, em Pedras de Fogo. Em Garapu, 500  famílias estão acampadas, em mais de 5.000 hectares de terras com plantação de bambu da empresa João Santos. Elas já estão plantando diversas culturas. “Aquelas terras foram desapropriadas em 1976, para a reforma agrária, num total de 10.200 hectares. Cinco mil foram assumidos por 350 famílias, o restante foi ocupado pela João Santo. As famílias querem que as terras de bambu sejam transformadas em assentamento. Nosso mandato já solicitou providências ao Incra e ao Ministério Público Federal, sobre a situação legal das terras e a destinação delas para assentamento da reforma agrária”, disse o deputado.21751846_1499692213452092_5964097056099077685_n

No acampamento Arcanjo Belarmino, de acordo com Frei Anastácio, a situação é muito parecida. As terras, com mais de 8.000 hectares, estão cobertas de bambu e pertencem a massa falida da usina Santa Tereza, de Pernambuco. “Nessas terras, que estão desprezadas pela usina, 400 famílias estão acampadas e já plantando diversas culturas, a exemplo de batata-doce, macaxeiras e feijão. Os trabalhadores estão aguardando as ações do Incra para transformar a massa falida em assentamento produtivo”, disseo deputado.

Leia também