Frei Anastácio apresenta voto de aplauso a ex-deputado que contesta existência do mensalão

O deputado estadual Frei Anastácio apresentou voto de aplauso ao advogado e ex-deputado estadual e federal, Inaldo Leitão, pelo artigo publicado no portal www.wscom.com.br,  de João Pessoa. No artigo, o ex-deputado faz uma análise do julgamento do Supremo Tribunal Federal (STF) e afirma que o mensalão nunca existiu. “O que houve foi um espetáculo montado pelo ministro Joaquim Barbosa”, disse Frei Anastácio, com base no artigo do ex-deputado.

No artigo, Inaldo Leitão diz que o julgamento se transformou em um verdadeiro espetáculo, no qual vários atores, tendo como principal o presidente do STF, Ministro Joaquim Barbosa, atuou deselegantemente, jogando para a mídia, a fim de condenar os acusados. “Vítimas da manipulação política e midiática, várias lideranças nacionais do partido dos trabalhadores, entre ele José Dirceu, são hoje, presos políticos em um país que teima em afirmar que é uma democracia”, disse o ex-deputado.

Contrariamente ao resultado do julgamento, Inaldo Leitão afirma que o mensalão, não existiu. Teve uma condenação que interessa apenas aos setores conservadores da sociedade que tentam sistematicamente desestabilizar o governo petista, não existiu.

Para Inaldo Leitão, as provas contidas nos autos deveriam levar a conclusão da existência de caixa dois de campanha e nunca, como expôs o relator da matéria, Ministro Joaquim Barbosa, a prática de crimes de corrupção, lavagem de dinheiro e formação de quadrilha.

Ministro é deselegante

A grande mídia, diz o ex-deputado, embarcou na onda e condenou os ‘mensaleiros’, sumária e antecipadamente. Para tanto, contou com o concurso do ministro Joaquim Barbosa, hoje presidente da Corte, conhecido pela deselegância, prepotência e falta de educação com que trata colegas, advogados, juízes e jornalistas.

“No que também concordo com o nobre ex-parlamentar Inaldo Leitão, também sustento a interpretação de que vários dispositivos de nossa Constituição Federal foram relegados a planos inferiores pela ação coercitiva e também prepotente do presidente do STF. Os passaportes dos acusados foram apreendidos antes do julgamento”, disse Frei Anastácio.

Segundo o ex-deputado Inaldo Leitão, Ministro abusou da Lei das Execuções Penais ao mandar para o regime de prisão fechada os condenados ao regime semiaberto. Recambiou todos os presos para Brasília, sem guia de encaminhamento, cassando o direito deles de cumprir suas penas em estabelecimentos prisionais próximos de seus domicílios. Finaliza o nobre ex-parlamentar afirmando que “a democracia tem regras que não se coadunam com as transgressões às leis de um país”, diz o ex-deputado.

Leia também