Frei Anastácio cobra aplicação de R$ 109 milhões de emendas de deputados, em seca na Paraíba

O deputado estadual Frei Anastácio (PT) criticou hoje (12), na Assembleia Legislativa, a posição de alguns deputados da base do governo do estado, que estavam reclamando do atraso de recursos federais para pagamento de carros-pipa. “Enquanto eles criticam o governo federal, esquecem que o dever de casa não está sendo feito. O que o governo do estado está fazendo para minimizar os efeitos da seca”, indagou o deputado.

Frei Anastácio perguntou, também, onde estão os R$ 109 milhões de reais, em emendas, que os deputados estaduais paraibanos colocaram nas mãos do governo do estado para aplicação em obras de convivência com a seca. “Não se tem nenhuma notícia do que o governo fez, ou irá fazer com esse dinheiro”, afirmou o petista.

Falta de transporte escolar em comunidade rural

O deputado também denunciou, no plenário da Assembleia Legislativa, a falta de transporte para os alunos da escola estadual Rubens Dutra Segundo, no distrito de Catolé de Boa Vista, em Campina Grande, uma comunidade rural que fica a 18 km de Campina Grande e no assentamento da reforma agrária Pequeno Richard.

O parlamentar disse que os professores, que também poderiam usar o transporte escolar, tem que pagar 12 reais cada um, para serem transportados através de van até as escolas.

“Segundo informações que obtive, esse descaso estaria acontecendo porque a secretaria de educação de Campina Grande não quer firmar parceria com o estado, através do Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação, para realizar o transporte. Se isso for verdade, se constitui num grande absurdo”, disse o deputado.

Frei Anastácio destacou ainda que por causa da falta dessa parceria, a escola não pode promover um bom trabalho, nem realizar licitação, através do conselho escolar, para efetuar o transporte dos estudantes.

Ofício para a secretaria

“Estou enviando um ofício solicitando à secretaria de educação daquele município, esclarecimentos sobre as rotas de transporte escolar, para que possamos encontrar uma solução. Não dar para aceitar que alguém crie dificuldades para impedir que crianças e adolescentes frequentem as salas de aulas, ainda mais quando os recursos estão disponíveis”, afirmou o petista.

Leia também