Frei Anastácio cobra solução para famílias sem teto despejadas em Caaporã

IMG_20171019_101152959_HDR

O deputado estadual Frei Anastácio está cobrando solução para a situação das 400 famílias de sem teto despejadas, ontem (18), de um acampamento na entrada de Caaporã, pela Polícia Militar, a partir de uma ação de reintegração de posse impetrada pela Prefeitura do Município. “As famílias perderam os barracos, são desempregadas e não têm para onde ir”, disse o deputado.

IMG_20171019_101310617

Segundo Frei Anastácio, o terreno onde ficava o acampamento pertence à prefeitura e está ocioso. “Esperamos que o prefeito da cidade construa as casas que prometeu aos sem teto. O que ele fez, até agora, foi retirar as famílias numa ação onde a PM usou bombas de efeito moral, cães, helicóptero,cavalaria,drones e tropa de choque. Muitos policiais cumpriram sua obrigação chorando. Isso eu presenciei de perto. Eles também estavam constrangidos ao verem crianças,mulheres e idosos desesperados aos perderem seus barrados”,disse o deputado.

Frei Anastácio Caaporã 4

Frei Anastácio disse que enquanto o prefeito Kiko manda despejar famílias carentes existem denúncias, que precisam ser apuradas, de que ele e um irmão ocupam vários terrenos públicos com estabelecimentos comerciais. “As denúncias são de que os terrenos foram invadidos pelo prefeito e um irmão. Nós vamos pedir ao Ministério Público para apurar todas essas denúncias”, disse.

22491773_1535024969918816_6112544265452977206_n

IMG_20171019_101326460

O parlamentar disse que as famílias estavam acampadas desde novembro do ano passado, e havia a informação da prefeitura da existência de um projeto para construção de casas no mesmo local. “Mas, até agora não existe nada de concreto. Muitas famílias que perderam os barracos não possuem parentes e ficaram sem ter onde se abrigar. Um verdadeiro absurdo. Mesmo assim, o prefeito da cidade não quer destinar auxilio moradia para todos que precisam”, lamentou.

Agressões de secretário

Frei Anastácio também denunciou as agressões verbais que sofreu do secretário de infraestrutura de Caaporã, Carlos Monteiro, na manhã desta quinta-feira. “Ele não gostou da nossa presença no acampamento destruído e usou da força do cargo para me destratar com calúnia e difamação. Já estamos tomando as providências cabíveis”, afirmou.

Leia também