Frei Anastácio denuncia atentado contra trabalhadores e ameaça de morte contra ele

O deputado estadual Frei Anastácio (PT) denunciou, hoje (05), na Assembleia Legislativa, que recebeu ameaças de morte feita por um homem chamado Marcos Antônio de Lima Gonçalves, de 41 anos, que trabalha como capanga de fazendeiros na Paraíba. “Esse mesmo homem tentou acabar uma missa a tiros, na semana passada, na fazenda Paraíso, em Pilar”, disse o deputado.

O parlamentar relata que Marcos Antônio de Lima Gonçalves, mais três comparsas, chegaram na fazenda num Fiat prata e atiraram contra um ônibus que estava chegando com trabalhadores para uma missa campal. “A missa foi organizada pela Comissão Pastoral da Terra, trabalhadores, padres e religiosos de várias cidades para homenagear os 50 anos de vida religiosa de Padre João Maria, pároco da Igreja de São Miguel de Taipu, que é um dos grandes defensores da reforma agrária na Paraíba”, relatou o deputado.

Frei Anastácio contou que a Polícia foi chamada e se deparou com os três homens no Fiat. Dois homens conseguiram fugir, mas Marcos Antônio foi preso e levado para a Delegacia de Itabaiana. Com ele, a polícia encontrou uma das armas usadas para atirar contra os trabalhadores, uma pistola calibre 380 e 16 munições.  Ele já respondeu processo por porte ilegal de arma, mas foi ouvido e liberado novamente.

Ameaças de morte contra o deputado

“Ele está solto de novo a serviço do latifúndio. Esse Marcos Antônio é um capanga bem conhecido pelos trabalhadores rurais. Ele já atuou como capanga no assentamento Padre Gino, em Sapé, acampamento Livramento, em Santa Rita e agora acampamento Paraíso, em Pilar. Além de ameaçar os trabalhadores, esse sujeito também tem feito ameaças abertas contra minha vida. Ele chegou a dizer aos trabalhadores de Livramento, em Santa Rita, que onde me visse iria me matar, iria me derrubar. Infelizmente as leis são brandas contra esse tipo de gente, e ele continua solto”, lamentou Frei Anastácio.

A serviço do latifúndio

O deputado disse ainda que Marcos Antônio e os outros dois que conseguiram fugir, estão a serviço de alguém. Segundo o parlamentar, eles não iriam atirar num ônibus sem serem mandados por alguém. Esse Marcos não iria me ameaçar de morte se não fosse de interesse de alguém. A fazenda onde o fato aconteceu, pertence a Ivan Bichara Sobreira Filho e a um homem conhecido por Múcio. Esse Múcio comprou parte das terras e também quer despejar os posseiros da fazenda”, afirmou.

A fazenda Paraíso tem mais de 400 hectares.  Lá, moram 40 famílias de posseiros que vivem no imóvel há cerca de 70 anos. “A Secretaria de Segurança Pública e o Ministério Público já estão cientes de tudo que envolve esse atentado em Pilar e as ameaças de morte contra mim. Esperamos que esse sujeito que vive andando armado, ameaçando a vida das pessoas não fique impune”, apelou o deputado.

 

Leia também