Frei Anastácio denuncia que Prefeitura de João Pessoa autoriza destruição de mata atlântica no Litoral Sul

15578784_1208931409194842_7441114850664288655_nO deputado estadual Frei Anastácio (PT) enviou ofícios ao Ibama,Ministério Público Federal, Sudema e ao governador do estado solicitando providências urgentes para conter agressão ao meio ambiente que está sendo praticada pela Imobiliária Colorado, em Barra de Gramame, litoral Sul de João Pessoa, numa área de 147 hectares, que está sendo desmatada para loteamento habitacional. “Essa é a maior destruição ao meio ambiente, atualmente em todo estado da Paraíba, com licença da Secretaria Municipal do Meio Ambiente de João Pessoa”, disse o deputado.
“Os donos da imobiliária estão utilizando até capangas para intimidar os trabalhadores de Barra de Gramame, que ocuparam a área para impedir que os tratores continuassem derrubando fruteiras, entupindo fontes de água e nascentes de rios, além de destruir um resquício de Mata Atlântica no local. Hoje, pela manhã, um homem conhecido por Carlão, que já tem histórico de comandar capangagem em várias regiões do estado, chegou a atirar contra os trabalhadores. Mas, ninguém ficou ferido”, denuncia o deputado
O deputado disse que esteve na área e constatou toda situação de agressão ao meio ambiente e a presença de seguranças armados de uma empresa que pertence a família de dois oficiais da Polícia Militar, Major Gutemberg e o Capitão Nascimento.
Segundo o deputado,além de destruir a Mata Atlântica, eles estão arrancando fruteiras como mangueiras, jaqueiras, oliveiras, pitumbeiras, palmeiras, coqueiros, cajueiros, jaqueiras, laranjeiras e pés de maracujá.
“Na condição de deputado estadual estive na área, que mede 147 hectares, e constatei os danos ao meio ambiente, além de ver que a Construtora/Imobiliária, dispõe apenas de uma licença da Secretaria Municipal do Meio Ambiente de João Pessoa, Semam. Dessa forma, estou solicitando providências urgentes aos órgãos ambientais, ao governador do estado e ao Ministério Público Federal. Não podemos admitir que a Prefeitura de João Pessoa conceda uma licença para tamanho estrago ao meio ambiente, e numa área rural, que estava sendo loteada para construção de apartamentos, ou casas”, disse o deputado.

Leia também