Frei Anastácio diz que além de Cunha, espera a queda de Temer

O deputado estadual Frei Anastácio disse, hoje (13), no plenário da Assembleia Legislativa, que espera a queda de outros políticos corruptos, além de Eduardo Cunha, que foi cassado ontem, pela Câmara dos deputados. “Com raras exceções, existem muitos outros, a exemplo do presidente Golpista, Temer, que precisam cair”, disse o deputado.

De acordo com o deputado, os partidos que montaram o golpe contra Dilma, usaram o deputado Eduardo Cunha até quando ele era útil. “Ele foi útil para os golpistas até a saída de Dilma. Tanto é que o processo de Cunha durou 10 meses. Como ele agora não serve mais para os golpistas, foi descartado. Ou seja, além de golpistas eles são covardes”, disse o deputado.

 

Crítica a Manoel Junior

Frei Anastácio também criticou a postura do deputado estadual Manoel Júnior, que votou a favor da cassação de Cunha. “Ora, ele era do batalhão de choque de Cunha. Mas, ontem votou a favor da cassação. Mas, ele fez isso para tentar confundir a opinião pública. Ele acha que fazendo isso irá fazer o povo esquecer de que ele é golpista. Mas, o povo da Paraíba não é bobo e sabe muito bem quem é ele. Eu ando pela Paraíba toda e estou presenciando o que o povo acha desses golpistas”, disse o deputado.

O deputado disse que os trabalhadores e os movimentos sociais estão mobilizados para continuar com a luta nas ruas contra os golpistas. “Não iremos recuar. Além de Cunha, existem muitos corruptos que precisam cair e o principal deles é Temer. Os partidos que eram da base do governo Dilma, entre eles, PC do B, PSOL e PT mostraram durante a cassação de Cunha que continuam unidos e que existem brasileiros nos quatro cantos do país que não irão se calar. Continuarão indo às ruas, exigindo a queda dos corruptos e ladrões, inclusive os que existirem no PT. Queremos um país limpo”, afirmou.

 

Dívidas com a reforma agrária

O parlamentar criticou ainda a falta de atenção do atual governo em relação à reforma Agrária na Paraíba. “O governo Temer está devendo R$ 5 milhões às cooperativas que prestam assistência técnica ao Incra em nosso estado. Os trabalhadores ocuparam a sede do Incra, durante dois dias, para pressionar a liberação desse dinheiro. Foi prometida a liberação de R$ 2,5 milhões, mas até agora nada foi liberado. Além disso, colocaram um superintendente no Incra da Paraíba, que não sabe nem plantar um pé coentro”, disse o deputado.

 

Leia também