WhatsApp Image 2020-04-02 at 18.21.03 (1)

O deputado federal Frei Anastácio (PT/PB) criticou as emendas apresentadas pelo partido NOVO à PEC 10/2020 aprovada ontem, em sessão virtual da Câmara dos Deputados.
O deputado explicou que se juntar as reduções sugeridas pelas emendas, o imposto de renda e o desconto do INSS, ficará muito pouco para a sobrevivência do servidor público. “Sou totalmente contra essas emendas, assim como toda bancada do PT na Câmara” , afirmou.

As emendas sugerem a suspensão da garantia de irredutibilidade salarial dos servidores públicos e estabelecem a redução dos salários dos servidores públicos de todo o país, enquanto durar o estado de calamidade pública causado pelo Coronavírus.

Frei Anastácio disse que apoia a preocupação manifestada pelas centrais sindicais do país, em relação ao assunto. ” Não podemos concordar com esse confisco de salários. O governo tem como encontrar saídas para a crise, sem provocar uma crise financeira sem precedentes na vida do servidor público”, afirmou.

Frei Anastácio citou ainda a nota divulgada pela Sintaj-PB (Sindicato dos Técnicos e Analistas Jurídicos) que explica como funcionaria a redução dos salários para os servidores, tendo redução de 26% para quem ganha entre R$ 6.101,00 e R$ 10.000,00; redução de 30% para quem ganha entre R$ 10.000,01 e R$ 20.000,00 e redução de 50% para quem ganha a partir de R$ 20.000,01.

“O governo e seus aliados estão querendo mudar através dessa PEC a garantia da irredutibilidade a que servidor público tem direito para driblar a crise, ao invés de pensar em soluções que não prejudiquem o trabalhador, como por exemplo a taxação de grandes fortunas”, criticou o parlamentar.

Confira a nota completa divulgada pela SINTAJ – PB

NOTA DO SINTAJ-PB EM DEFESA DOS SALÁRIOS DOS SERVIDORES PÚBLICOS

Na sessão virtual da Câmara dos Deputados de ontem a noite, dia 02/04/2020, foi aprovado o texto base da PEC 10/2020, que dispõe sobre a instituição de regime extraordinário fiscal, financeiro e de contratações para enfrentamento da calamidade publica nacional decorrente de pandemia internacional.

Na sessão, foi acatada a admissibilidade da proposta.

A partir de hoje (03 de abril) serão apreciadas as emendas.

Ocorre que o Partido Novo, o mesmo do Governador do Estado de Minas Gerais, apresentou duas emendas.

Essas propõem, em primeiro plano a suspensão da garantia de irredutibilidade salarial dos servidores públicos, enquanto durar o estado de calamidade pública e, em segundo plano, estabelecem a redução dos salários dos servidores públicos de todo o país pelo mesmo período.

Em resumo, em sendo retirada a garantia de irredutibilidade do salário, os descontos nos salários dos servidores públicos, ocupantes de cargos, funções e empregos públicos da administração direta, autárquica e fundacional, dos membros de quaisquer dos poderes da União, Estados, Municípios e do Distrito Federal, dos detendores de mandatos eletivos e dos demais agentes publicos, obedeceria o seguinte formato:

1. Redução de 26% para quem ganha VALOR BRUTO MENSAL entre R$ 6.101,00 e R$ 10.000,00.

2. Redução de 30% para quem ganha VALOR BRUTO MENSAL entre R$ 10.000,01 e R$ 20.000,00.

3. Redução de 50% para quem ganha VALOR BRUTO MENSAL a partir de R$ 20.000,01.

O detalhe é que o confisco será realizado sobre o rendimento líquido. Isso quer dizer que, após a aplicação dos percentuais acima, os salários dos servidores sofrerão ainda a incidência dos descontos regulares, decorrentes da aplicação das alíquotas do Imposto de Renda e da Previdência.

A apreciação e votação de todas as emendas que foram apresentadas, deverá ocorrer a partir de hoje (03 de abril).

EM DEFESA DOS SERVIDORES PÚBLICOS

As Centrais Sindicais, Confederações/Federações de trabalhadores e Sindicatos que representam os servidores publicos de todo o país têm se esforçado para impedir a aprovação desse absurdo.

O SINTAJ PB, ao lado da FENAJUD, adianta aos seus filiados que jamais aceitará a adoção de qualquer medida que represente confisco salarial.

Para tanto, vem operando junto os deputados federais e senadores da Paraíba para evitar a aprovação das emendas do Partido Novo.

Para a Entidade trata-se, pois, de uma proposta imoral e oportunista que configura fato gerador de confisco indevido contra a classe dos servidores públicos.

Por fim, a Entidade considera que também é muito importante que os servidores do Judiciário Paraibano possam pressionar a bancada federal do Estado para que as do Partido Novo sejam derrotadas.

Direção do SINTAJ -PB

 

 

DEIXE AQUI SEU COMENTÁRIO

Please enter your comment!
Please enter your name here