Frei Anastácio elogia governador por construção de estrada que tira comunidade quilombola do isolamento

WhatsApp Image 2018-11-27 at 12.28.08

O deputado estadual Frei Anastácio, deputado federal eleito (PT), elogiou hoje o governador Ricardo Coutinho pela construção da estrada que dá acesso as famílias da comunidade quilombola do Grilo, no município de Riachão do Bacamarte.

Frei Anastácio disse que as famílias estão de parabéns pela pavimentação  que está sendo feita em paralelepípedo pelo Departamento de Estradas de Rodagem da Paraíba (DER).

“Essa obra que o governo do estado realiza é de grande importância para as 71 famílias da comunidade que fica a cerca de 100 quilômetros de João Pessoa. A pavimentação da estrada é em cima de uma serra e custará R$ 500 mil.  A obra está sendo  realizada através do Programa Mais Trabalho e estará pronta até o final do ano”, disse.

Além  de facilitar o acesso até a comunidade quilombola, a obra  facilitará o escoamento da produção agrícola das famílias. Lá, elas plantam milho, fava, macaxeira, inhame, batata-doce e  nove variedades de feijão. Algumas famílias da comunidade retiram  seu sustento através do cultivo de hortaliças e de pequenas criações de animais.  Os quilombolas estão muito felizes com a estrada.

O único acesso ao local era uma estrada perigosa, cheia de pedras e de plantas nativas com espinhos, a exemplo de xiquexiques e mandacarus. A comunidade Grilo tem 139 hectares e está em processo de regulamentação.

“Tenho a honra em dizer que contribuí com o processo de regulamentação daquela comunidade. Nossa contribuição foi em 2008, durante nossa gestão como superintendente  do Incra. O Relatório Técnico de Identificação e Delimitação, que é  a peça inicial do processo administrativo de regularização dos territórios quilombolas, foi publicado durante nossa gestão. Portanto parabéns ao governo do estado pela obra de pavimentação da estrada que dá acesso àquela comunidade. Parabéns as famílias que já vinham reivindicando essa estrada há muitos anos. Agora, elas poderão transportar sua produção até as cidades mais próximas de carro, já que antes isso era impossível”, disse.

Leia também