Frei Anastácio luta contra fechamento de agência bancária em Serra Branca

O deputado estadual Frei Anastácio fez apelo, hoje (20), na Assembleia Legislativa solicitando à Superintendência do Banco do Brasil na Paraíba a reabertura da agência bancária na cidade Serra Branca. “A população de várias cidades do Cariri Ocidental dependia dessa agência para as operações bancárias. Agora, só dispões das agências dos Correios e Telégrafos. Os aposentados chegam às filas de madrugada para conseguirem atendimento. Isso é uma humilhação”, disse o deputado.

O deputado ressaltou que o apelo feito, atende a uma reivindicação enviada ao mandato dele através de ofício pelos vereadores de Serra Branca, Renan Mamede de Lima e Josenildo Gonçalves de Brito. “Eles enviaram ofício ao nosso mandato solicitando que os ajudasse nesse pleito. Os vereadores explicaram que a agência do Banco do Brasil sofreu uma investida de bandidos e foi praticamente destruída pela explosão no dia 03 de março deste ano. Eles obtiveram a informação de que aquela agência não seria mais reaberta”, explicou.

De acordo com o deputado, diante dessa situação, está solicitando o empenho do Poder Legislativo Estadual. “Estamos pedindo que a Assembleia Legislativa se coloque ao lado da população do Cariri Ocidental apelando à superintendência do Banco do Brasil a imediata reabertura da agência da cidade de Serra Branca”, destacou.

Na tarde desta terça-feira (20), o parlamentar irá pessoalmente à superintendência do Banco do Brasil, ao lado do ex-vereador é membro do Diretório Municipal do PT de Serra Branca Ednaildo Saraiva, solicitar uma audiência para tratar sobre o assunto. “Não podemos ficar de braços cruzados diante de uma situação dessas. São milhares de pessoas que dependem dos serviços do Banco do Brasil. Tenho certeza de que a superintendência irá tomar as providências necessárias para resolver o problema”, disse.

Sequestro de radialista em Sumé

Frei Anastácio também apresentou requerimento solicitando que a Secretaria de Segurança Pública apure com rigor, a violência sofrida pela radialista Elaine Trezena, em Sumé, segunda-feira. “A radialista foi sequestrada e teve boca, mãos e pés colados com cola instantânea (superbonder). Os sequestradores disseram a radialista de 31 anos, que estariam fazendo aqui porque ela estava falando de mais na rádio onde trabalha. A radialista teve que ser levada a um hospital para retirada da cola do corpo. Esses bandidos não podem ficar impunes. Além de uma violência tremenda que cometeram, querem cercear o direito de expressão de uma profissional da comunicação”, lamentou.

O parlamentar disse ter certeza de que a Secretaria de Segurança Pública irá se empenhar para descobrir quem praticou essa atrocidade contra essa jovem radialista, que corajosamente disse ter reconhecido um dos bandos. “Eu conheço pessoalmente a radialista Trezena. Trabalhamos juntos na campanha eleitoral passada, e posso afirmar que ela é uma pessoa competente. Quero aqui também me colocar à disposição da radialista”,afirmou.

Leia também