O deputado federal Frei Anastácio (PT/PB) parabeniza os agricultores e agricultoras pela passagem do seu Dia, comemorado nesta terça (28). “Meus parabéns a essa nossa gente resistente e corajosa que trabalha de sol a sol para produzir mais de 70% dos alimentos que chegam à nossa mesa. Se o campo não planta, a cidade não almoça nem janta”, destacou o deputado.

O parlamentar enfatizou que desde que começou a luta junto aos trabalhadores e trabalhadoras, há quase 50 anos, esse é o primeiro ano que o Dia do Agricultor (a) passará sem comemoração de rua, em consequência da pandemia do Coronavírus. “Mas, nas lembranças e no coração, hoje é dia de festa pelas conquistas e momento de reflexão sobre o difícil momento em que vivemos com um governo que não valoriza a agricultura familiar”, afirmou.

 Frei Anastácio aproveita a data comemorativa para manifestar o seu reconhecimento, respeito, admiração e agradecimento a todos os agricultores e agricultoras do Brasil e, especialmente, da Paraíba, pelo trabalho, pela produção, pela dedicação e pelo apoio dedicado a ele em mais de 40 anos de lutas. “Muito obrigado por caminharmos juntos”, agradeceu.

Governo despreza o agricultor

Frei Anastácio lamentou que esse povo do campo tão sofrido, porém importante na produção de alimentos, esteja sendo relegado pelo Presidente da República.  “É um governo que só olha para o agronegócio. Para esse setor, perdoa dívidas previdenciárias e multas bilionárias, facilita o desmatamento e a grilagem de terra e ainda abre linhas de créditos”, disse. O deputado afirma que não existe nenhum projeto de iniciativa do governo para beneficiar os trabalhadores e trabalhadoras, durante essa pandemia. 

“Todos os projetos em benefício dos agricultores e agricultoras partiram do PT, da bancada de oposição e do Congresso nacional. Um desses projetos e o de número 735, que recebeu o nome do deputado petista, Assis Carvalho, que morreu recentemente. Esse PL emergencial para a agricultura familiar, do qual sou coautor, é um alívio financeiro para o homem e a mulher do campo. Mas, se dependesse de Bolsonaro, ninguém receberia nada”, acusou.

Resistência 

O deputado destacou ainda, o trabalho e a resistência dos movimentos sociais do campo, que mesmo em tempo de pandemia estão dando exemplos de luta e solidariedade, com distribuição de alimentos para os mais necessitados, sem esquecer da luta em defesa dos direitos de todos.

“Deixo meus parabéns à Comissão Pastoral da Terra (CPT) e ao Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST), pelo trabalho que fazem. A CPT e o MST são exemplos de perseverança, de luta e organização”, destacou. 

O parlamentar também enalteceu o trabalho dos sindicatos rurais e das federações, que também estão enfrentando momentos difíceis no atual governo. Mas, segundo ele, não desistem da luta em defesa do homem e da mulher do campo.

DEIXE AQUI SEU COMENTÁRIO

Please enter your comment!
Please enter your name here