Frei Anastácio participa de simpósios

DSC01230DSC01226DSC01219DSC01218Frei Anastácio participou    da abertura do VI Simpósio Internacional de Geografia Agrária e do VII Simpósio Nacional de Geografia das  Águas, no auditório da Estação Cabo Branco, em João Pessoa. Estive na mesa formada por Elizabete Teixeira, pelo sindicalista Maunuel da Conceição, Maria José Marinheiro(representante dos povos indígenas),Jaime Amorim, do MST e Maria Soledade Leite, representante do Sindicato Margarida Maria Alves. Juntamente com esses companheiros e companheira falamos sobre a Memória da luta pela terra no Nordeste. Mil e quinhentos estudantes de todo Brasil estão participando dos dois simpósios até o dia 26, organizados pela UFPB e UEPB.

O parlamentar foi convidado para falar um pouco da história da luta pela reforma agrária na Paraíba. Ele relatou, entre outras coisas,que durante os anos de luta ao lado dos trabalhadores, foi preso duas vezes,sequestrado três vezes por capangas de latifundiários e enfrentou 32 processos na justiça. Frei Anastácio defendeu que os trabalhadores devem continuar organizados e reivindicando para terem sucesso nas lutas.  “Muitas coisas não são conquistadas porque existe “frouchura” por parte dos movimentos”, disse o deputado que foi aplaudido pela plateia formada por estudantes e professores de todo o país.

Não há fome onde os trabalhadores estão assentados

Frei Anastácio foi um dos fundadores da pastoral da Terra na diocese de João Pessoa – PB, tendo grande atuação de base e também política ao longo de sua vida, fatos estes que os levaram a ser Superintendente do INCRA-PB – Instituto Nacional de Colonização de Reforma Agrária da Paraíba e também presidente do PT no Estado da Paraíba.

Com um grande histórico de atuação política pela reforma agrária na Paraíba, o Frei franciscano e Dep. Estadual Anastácio Ribeiro traz para o debate suas experiências sobre a luta da reforma agrária, abordando pontos desde a importância da organização da classe dos trabalhadores rurais em lutar pela reforma, até como isto é discutido dentro do governo, sobre sua ótica também de Deputado.

Em seu discurso aborda a importância de olharmos mais e abrirmos mais espaço para os movimentos de luta pela terra, para que haja justiça social em nosso país.  “Onde há assentamento, não existe fome.Os trabalhadores possuam o que comer e conquistaram liberdade”, disse o deputado.

SINGA 2013

Leia também