Religiosos lamentam mortes de trabalhadores rurais,criticam sistema político e conclamam povo a se unir contra desmandos no país

 

Romaria 2017

HOMILIA  DA 40ª ROMARIA DA TERRA E DAS ÁGUAS  BOM JESUS DA LAPA

Caríssimo Dom João, pastor e guia deste Santuário e da Diocese de Bom Jesus da Lapa.

       Caríssimo Pe. Devaldo reitor do Santuário.

       Queridos padres, diáconos e seminaristas.

       Queridas religiosas das várias Congregações aqui presentes.

       Queridos membros da CPT-que sempre  tem acompanhado esta Romaria.

       Irmãos e Irmãs Romeiros do Bom Jesus nos 40 anos da Romaria da Terra e das Águas.

        Celebrar a Romaria é momento de muita satisfação, de alegria, pois faz avivar nossa fé, nossa esperança nosso imenso amor ao Bom Jesus, e nos torna mais fortes como povo. Não um povo qualquer, mas povo de Deus- povo de cristãos batizados, povo que acredita e que faz de sua fé a força para enfrentar as lutas e desafios da vida.

        Celebrar 40 anos é celebrar a caminhada de nossa gente em suas lutas pela terra e pela água, elementos essenciais para a sua vida, a vida de sua família, a vida de sua comunidade.

         40 anos de Romaria significa 40 anos de luta contra o opressor, contra os faraós que ainda nos dias de hoje matam, roubam e continuam oprimindo o Povo de Deus. Opressores de rapina que uma por uma vem destruindo as conquistas dos pobres e pequenos presentes na Constituição Cidadã Brasileira de 1988 que este mesmo povo ajudou a construir.

          Parafraseando as palavras do profeta Zacarias, 1ª leitura da missa de hoje, poderíamos dizer: “Assim diz o Senhor: Alegrem-se romeiros da terra e das águas. Eis que vem o Bom Jesus ao teu encontro. Ele é humilde , ele vem crucificado mas apontando a ressurreição. Ele quebrará a prepotência dos opressores e anunciará a paz às nações. Seu domínio se estenderá por todo o vale do São Francisco até os confins desta terra abençoada”.

         Celebrar 40 anos de Romaria é celebrar 40 anos de presença do Espírito Santo do Bom Jesus, a presença do Espírito Santo de Deus que, em cada Romaria, renova em nós, em nossas famílias e em nossas comunidades de homens e mulheres da terra e das águas o espírito de luta pelos nossos direitos conquistados e adquiridos.

         Celebrar 40 anos de Romaria é dizer a Jesus: “Eu te louvo, ó Pai, Senhor do Céu e da Terra, porque escondestes estas coisas aos sábios e entendidos, opressores, ladrões e criminosos deste mundo e revelastes aos pobres e pequeninos.”(Evangelho do dia).

          Irmãos e Irmãs queridos, celebrar 40 anos de Romaria significa celebrar a esperança que guardamos em nossos corações de novos tempos, nova aurora. Esperança de Ressurreição e de Vida.

           Nossos mártires estão vivos. De janeiro até julho deste ano já temos 45 homens e mulheres que derramaram seu sangue pela causa da justiça. Em todo ano de 2016 foram 61 assassinatos. Neste ano de 2017 já são 45 assassinatos.

           Mas nossos mártires estão vivos e nos dão as forças de que necessitamos para levar até o fim as nossas lutas como eles nos testemunharam derramando o próprio sangue.

           Viemos em Romaria nestes 40 anos por que queremos as bênçãos do Bom Jesus, queremos conhecer o Pai e seus desígnios que somente o Bom Jesus nos pode revelar. E o Bom Jesus nos revela o Pai. Fortalece nossa Fé, aviva nossa Esperança e nos  prepara para a luta que é grande, muito grande.

Vivemos nesse contexto de Brasil em que nossas instituições políticas e administrativas estão apodrecidas e mal cheirosas pela corrupção, pelo desmando, pela ganância desenfreada do lucro a qualquer preço, pela violência, pela morte. Nossos horizontes estão nublados e não vemos a luz no final do túnel.

           As políticas públicas caminham em direções contrárias aos interesses do povo, haja visto as propostas de reforma Trabalhista e da Previdência que somente beneficiam os grandes e poderosos. A reforma Agrária tão desejada pelos pequenos lavradores deste país nunca aconteceu. A demarcação de terras indígenas, sonho e esperança de centenas de etnias,  existe apenas no papel. Constata-se que vem acontecendo o contrário: as terras de nossos povos ancestrais sendo roubada pela ganância do capital, pela invasão dos latifúndios. Nossa biodiversidade sendo destruída pouco a pouco, nosso Velho Chico nos estertores da morte.

          O projeto de Deus não está no Planalto, numa cidade que chamamos de Brasília, mas vem de nossas comunidades, do povo espalhado por este Brasil afora do Oiapoque ao Chuí, das terras ocupadas pelos pequenos e pelos pobres como tão insistentemente repete nosso querido Papa Francisco.

          É do povo de Deus que vem o compromisso de gerar ressurreição, vida e esperança para todos.

         Querem nos impor o medo da morte. Mas nossos 45 mártires deste ano de 2017 clamam por ressurreição. Eles estão vivos e nos apontam a vida como destino final dos que crêem e lutam com as armas da fé e da esperança.

         “Vinde a mim todos vós que estais cansados sob o peso de vossos fardos, e eu vos darei descanso”(Evangelho do dia). Jesus se encontra no meio dos pequenos e dos pobres deste mundo. Nas pessoas sofridas e perseguidas. “Tomai sobre vós o meu julgo e aprendei de mim. porque sou manso e humilde de coração, e vós encontrareis descanso”(Evangelho do dia).

           É neste descanso de lutas renhidas que poderemos fazer nascer um mundo diferente, um mundo solidário para os irmãos porque alicerçado no sofrimento e na dor de um povo oprimido, mas que no Bom Jesus encontra a força necessária e a luz para construir novos tempos.

          Os poderosos querem manter a ordem e assim manter seus privilégios ás custas dos sacrifícios dos pobres. Os pequenos devem se unir para serem fortes. Acreditemos e nos firmemos em nossas organizações de base em nossas comunidades. Sigamos unidos inspirados pela sabedoria de Deus que está em vós, sabedoria que “confunde os soberbos, depõe os poderosos de seus tronos e exalta os humildes”.

          Continuemos não apenas por mais 40 anos, mas por todo o sempre esta comunhão bonita e bem festejar com o Bom Jesus, pois “seu jugo é suave e o seu fardo é leve” e nele encontraremos descanso para nossas vidas.

 Amém!

 

Leia também