Sem teto realizam protesto nas ruas de Caaporã

As 400 famílias sem teto acampados desde o ano passado, num terreno da Prefeitura na entrada de Caaporã, saíram às ruas da cidade, ontem (6), em protesto contra ameaça de despejo feita pelo prefeito da cidade, que entrou com ação na justiça pedindo  reintegração de posse da área.

As famílias saíram pelas ruas gritando palavras de ordem contra a ação do prefeito, Cristiano Ferreira Monteiro, (kiko)  e solicitando providências para que sejam construídas casas, em vez de ação de despejo como está sendo feito pela Prefeitura de Caaporã.

O deputado estadual Frei Anastácio, que participou da manifestação, disse que as famílias estão revoltadas com a atitude do prefeito. “Em vez de buscar uma solução, o prefeito está querendo a retirada das famílias do terreno.

As 400 famílias estão acampadas na entrada da cidade de Caaporã, desde novembro do ano passado. “O que o prefeito da cidade fez foi entrar na justiça pedindo o despejo das famílias. Um absurdo”, disse o deputado.

O parlamentar informou que o terreno onde as famílias sem teto estão acampadas pertence à Prefeitura de Caaporã. “Mas, o prefeito da cidade não tem sensibilidade para isso e já conseguiu uma liminar para despejar as famílias do local”, disse.

O deputado informou que as famílias são todas das periferias da cidade, formadas por desempregados que não possuem nenhum horizonte de vida. “Além das terras da Prefeitura, existem áreas da Usina Tabu que poderiam ser utilizadas para construção de casas para essas famílias, assim como áreas do Estado”, disse.

Frei Anastácio relatou que já enviou ofício à Cehap pedindo providências. “Através de nosso mandato, já enviei ofício solicitando uma saída para aquelas famílias. São pessoas que vivem sofrendo muito sem emprego e sem onde morar. Foram para aquele terreno em busca de uma moradia, mas estão se deparando com a insensibilidade do prefeito da cidade. Nosso mandato continuará apoiando todas as lutas daquelas famílias, até que seja encontrada uma solução para elas”, garantiu.

Leia também