Trabalhadores esperam solução para evitar despejo de fazenda, em Pilar

FOTO FAIXA

Os posseiros da fazenda Paraíso, em Pilar, estão esperando que o Tribunal de Justiça da Paraíba e o Governo do Estado revertam uma ordem de despejo que determina a saída de 36 famílias e a destruição de 90 hectares de plantação, além das casas construídas na área. “Essas famílias possuem direitos adquiridos e a justiça não pode tomar uma decisão arbitrária dessa, sem considerar as consequências”, disse o deputado estadual Frei Anastácio.

Quarta-feira (27), a Comissão Pastoral da Terra (CPT) e cerca de mil trabalhadores e trabalhadoras rurais realizaram mobilização, em João Pessoa, para protestar contra a decisão judicial que determina o despejo das famílias que vivem há 80 anos na fazenda Paraíso. “As famílias e trabalhadores de diversas áreas já estão prontos para outras ações, se nada for resolvido”, anunciou o deputado que participou da manifestação.

A mobilização de quarta-feira foi realizada com uma caminhada, que começou no Mosteiro de São Bento e passou por diversas ruas do centro de João Pessoa, até a praça dos três poderes. Lá, uma comissão participou de audiência com o chefe de gabinete do Governador do Estado, quando foi pedido que o governo ajudasse a encontrar solução para o problema.

“A situação é tão preocupante que na ordem judicial é para a destruição de toda a plantação e residências existentes na propriedade, ficando o povo sem ter para onde ir e de onde tirar o seu sustento, prejudicando o direito das famílias que nasceram e se criaram na fazenda”, disse o deputado.

Em nota distribuída com a população, os trabalhadores contam que seus avós já trabalhavam naquelas terras em regime de escravidão para o latifundiário Agnaldo Veloso Borges. Em seguida, a terra foi passada para filhos e netos. A família de Agnaldo Ribeiro, numa briga judicial com o filho do ex-governador Ivan Bichara Sobreira, perdeu o domínio da fazenda Paraíso. De posse da fazenda, Ivan Bichara Sobreira Filho entrou com uma Ação de Reintegração de Posse no ano de 2014 e a justiça concedeu o pedido. As famílias já foram notificadas para desocuparem a área no prazo de 10 dias. “É uma briga de cachorro grande que atinge os pequenos trabalhadores e desta vez não vamos deixar que o povo seja prejudicado”, frisou Frei Anastácio.

 

Leia também